Medronho

​O medronheiro é um elemento importante da paisagem alentejana. É colhido em Outubro e Novembro, sendo tradicionalmente utilizado para produzir aguardente de medronho. A certificação biológica do medronho é feita a partir de frutos recolhidos pelos produtores locais. O medronho apresenta inúmeras potencialidades para além da tradicional destilação para aguardente, em fresco, em seco acresce-se como um produto com grande potencial inovador no mercado atual. Esta tarefa da colheita é realizada à mão e o processamento é realizado em pequena escala (destilarias), sem aditivos, para que se consiga um sabor perfeito.


História:

O medronheiro (Arbutus unedo) é uma árvore frutífera e ornamental da família Ericaceae, também conhecida como meródios, ervedeiro, êrvedo ou êrvodo. É uma planta nativa da região mediterrânica e da Europa Ocidental, podendo ser encontrada tão a norte como no oeste da França e Irlanda. O seu fruto é denominado medronho.


Características Gerais:    

Fisionomia

O medronheiro tem normalmente um crescimento do tipo arbustivo até uma altura de aproximadamente 5 metros com ramos eretos, que brotam do tronco a partir de 0,50 metros do solo e que são também bastante espaçados entre si.

A copa do medronheiro é arredondada com folhas persistentes de formato elíptico que assumem uma coloração verde-escura semelhante à do sobreiro, e também possuem um brilho ceroso na face superior.

As flores desta árvore da cor branca ou levemente rosadas são muito decorativas. Logo, ela é considerada uma planta ornamental.


Habitat:

Em Portugal, pode ser encontrado por todo o país, mas a maior concentração ocorre nas serras do Caldeirão e Monchique.

O medronheiro é uma espécie que aparece consociada às Quercíneas, particularmente ao sobreiro e à azinheira, ocorrendo nos montados e em zonas de matos resultantes da sua degradação. Crescem tanto em solos ácidos como alcalinos mas preferem que sejam profundos e frescos. Aparecem até aos 1200 m de altitude. O seu clima favorito é suave e sem geadas fortes.


Época:

A colheita do medronho é no final de Outono, início do Inverno.


Utilização:

O medronheiro produz frutos comestíveis, bastante apreciados sobretudo no sul de Portugal, onde são usados na produção de licores e aguardentes destiladas do tipo licor de medronho.

É explorado, sobretudo nas Serras de Monchique e do Caldeirão, para a produção de aguardente. A aguardente de medronho é uma aguardente de fruta tradicional produzida a partir do fruto do medronheiro (medronho) típica das serras algarvias em Portugal.


Plantação:

Os medronheiros crescem selvagens em solos pobres nas regiões rurais, como o Alentejo e Algarve interior.

Não há nenhum plantio comercial (plantações) de medronheiro e os frutos são colhidos pelos agricultores locais e processados por particulares. Muito poucos agricultores têm uma licença para destilação, mas são toleradas para que essa especialidade portuguesa se mantenha viva.


Curiosidades:

Qual a origem das designações do género Arbutus? E do epíteto específico unedo?

São ambas antigas denominações romanas nas quais Lineu se baseou para atribuir este nome à planta. O primeiro é o diminutivo de arbor e significa arbusto. Alguns autores discordam e afirmam que a origem etimológica encontra-se no termo celta, arbois que significa áspero, rude, aludindo aos seus frutos. A resposta à segunda pergunta pode ser encontrada no facto de os seus frutos, ainda que comestíveis, possuírem um sabor desagradável (quando verdes). Unedo significa "um e mais nenhum" e foi adotado para esta espécie de modo a avisar os mais temerários que o desejem provar, de que não gostarão de repetir a experiência uma segunda vez.

Os medronhos são também famosos pela capacidade de provocar embriaguez e dor de cabeça a quem consome muitos, uma vez que quando maduros, possuem uma certa quantidade de álcool.