30 setembro 2016

Dialogue Café Crafting cultural heritage

How to promote intercultural dialogue and diversity through traditional crafts

Assistimos a uma nova geração de pessoas que têm abraçado o movimento do «artesanato» estimuladas pela crescente presença no mercado de designers independentes e de artistas excecionalmente qualificados. Alguns destes «novos» artesãos olham para a história como forma de alimentar as suas criações e de lhes acrescentar valor, o valor da preservação do conhecimento e do património cultural. A maior parte busca inspiração sua própria cultura, outros preferem inspirar-se noutros continentes e em diferentes manifestações culturais. Por outro lado, todos nós compartilhamos um património cultural rico, resultado de séculos de intercâmbios e fluxos migratórios. A promoção desta diversidade cultural torna-se, assim, essencial para a coesão económica e social.

No âmbito do ciclo «Global Exchange of Crafts Makers», a rede Dialogue Café promoveu uma terceira conversa global em videoconferência intitulada «Crafting cultural heritage: how to promote intercultural dialogue and diversity through traditional crafts», que aconteceu no dia 29 de setembro de 2016 entre os Dialogue Cafés de Évora, Novi Pazar, Lisboa e Rio de Janeiro.

Durante esta sessão, os participantes debateram as pontes interculturais que podem ser desenvolvidas entre artesãos, ao procurar inspiração para os seus produtos em diferentes culturas e patrimónios. Como veem os artesãos o seu próprio património cultural? De que forma imprimem inovação nos seus produtos? Como é que encaram a possibilidade de se deixarem inspirar por outras culturas e patrimónios? Existirá um espaço para a diversidade cultural no mercado de artesanato?

Para dar resposta a estas e outras questões, estiveram no Dialogue Café de Évora Marta Ricardo (TraMadesign), Tânia Costa Neves (LOOM New Tradition) e Tiago Cabeça (Aldeia da Terra). 

Consulte aqui o programa da sessão e conheça os outros participantes.